A Segurança Eterna dos Filhos de Deus!

A Segurança Eterna

dos Filhos de Deus


segurançaeterna_filhosdedeus

Rev. Marcelo Lemos

Recentemente um blog assembleiano publicou uma longa série de artigos que tentam demonstrar que a salvação dos filhos de Deus, mesmo tendo sido dada a eles por um ato de Graça, pode ser tomada de volta, resultando na condenação daqueles por quem Cristo já pagou todos os débitos. Sem desejarmos, por ora, adentramos nos detalhes da controvérsia, queremos deixar uma pequena lista das razões pelas quais os filhos de Deus estão eternamente seguros. A lista foi adaptada do site da Fundamental Evangelistic Association.

É verdade que em muitas passagens e versículos vemos os autores Bíblicos lançando ameaças terríveis contra os cristãos. Também é verdade que a Bíblia constantemente aponta que a fidelidade é uma marca distintiva os salvos. Devemos então levar em conta o fato de que na Igreja existem dois tipos de pessoas: cristãos de fato e cristãos professos. Apenas Deus pode separar o joio do trigo, de modo que a pregação do Evangelho, inclusive suas ameaças, devem e são ditas a todos os membros do Pacto. Aqueles que, confiando nas promessas do Evangelho, tentam desculpar sua vida relapsa, talvez devessem, antes de mais nada, questionar se realmente tiveram um encontro salvífico com Jesus.

Nem todos os cristãos serão salvos, mas os eleitos serão. Todo aquele que, de modo visível - através do Batismo - faz parte da Igreja pode ser chamado de Cristão, mas somente aqueles a quem Deus conheceu pessoalmente integram o grupo dos eleitos - e estes jamais irão perecer. Neste artigo veremos as razões bíblicas para essa certeza.

Eles nasceram de novo, de uma semente incorruptível que produz fruto para a vida eterna:

“Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre. Porque Toda a carne é como a erva, E toda a glória do homem como a flor da erva. Secou-se a erva, e caiu a sua flor; mas a palavra do Senhor permanece para sempre” – I Pedro 1.23-25.

Eles se apresentam perante Deus vestidos da justiça de Cristo, que lhes foi imputada, e não com alguma justiça pessoal:
“Àquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” – II Coríntios 5.21.

“Porque, como pela desobediência de um só homem, muitos foram feitos pecadores, assim pela obediência de um muitos serão feitos justos. veio, porém, a lei para que a ofensa abundasse; mas, onde o pecado abundou, superabundou a graça; para que, assim como o pecado reinou na morte, também a graça reinasse pela justiça para a vida eterna, por Jesus Cristo nosso Senhor” – Romanos 5.19-21.

Eles foram presenteados com a Vida Eterna, de modo que jamais poderão perecer:
“E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão.  Meu Pai, que mas deu, é maior do que todos; e ninguém pode arrebatá-las da mão de meu Pai” – João 10.28-19.

Eles tiveram sua vida escondida em Deus, sendo lhes garantida a entrada final na glória eterna, com Cristo:
“Portanto, se já ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas que são de cima, onde Cristo está assentado à destra de Deus. Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra; porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus. Quando Cristo, que é a nossa vida, se manifestar, então também vós vos manifestareis com ele em glória” – Colossensses 3.1-4.

Eles já foram introduzidos ao Reino Deus, e reinam com Cristo Jesus nas regiões celestiais:
“Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo” – Efésios 1.3.

“Mas Deus, que é riquíssimo em misericórdia, pelo seu muito amor com que nos amou, estando nós ainda mortos em nossas ofensas, nos vivificou juntamente com Cristo (pela graça sois salvos), e nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus; para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da sua graça pela sua benignidade para conosco em Cristo Jesus” – Efésios 2.4-7.

Eles foram ressuscitados com Cristo, para que Deus mostrasse, neles, nos séculos vindouros, a riqueza maravilhosa de Sua Graça?
“E nos ressuscitou juntamente com ele e nos fez assentar nos lugares celestiais, em Cristo Jesus; para mostrar nos séculos vindouros as abundantes riquezas da sua graça pela sua benignidade para conosco em Cristo Jesus” – Efésios 2.6-7.

Eles foram completamente absolvidos por Deus. A penalidade por todos os seus pecados foi removida por um único sacrifício, o de Cristo Jesus, na Cruz do Calvário; o que não deixa um único motivo pelo qual não possam ser salvos:
“Ora, não só por causa dele está escrito, que lhe fosse tomado em conta, mas também por nós, a quem será tomado em conta, os que cremos naquele que dentre os mortos ressuscitou a Jesus nosso Senhor; o qual por nossos pecados foi entregue, e ressuscitou para nossa justificação. Tendo sido, pois, justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo; pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes, e nos gloriamos na esperança da glória de Deus (...)Porque Cristo, estando nós ainda fracos, morreu a seu tempo pelos ímpios. Porque apenas alguém morrerá por um justo; pois poderá ser que pelo bom alguém ouse morrer. Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores. Logo muito mais agora, tendo sido justificados pelo seu sangue, seremos por ele salvos da ira.” – Romanos 4.23-25; 5.1-2; 5.6-9.

Eles foram livres de toda acusação. Tendo sido o próprio Deus, o único que lhes poderia condenar, quem lhes concedeu a justificação, quem mais poderia causar-lhes algum dano? Ninguém, nem nada:
“E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito. Porque os que dantes conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos. E aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou; e aos que justificou a estes também glorificou. Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor” – Romanos 8.28-39.

Eles terão suas obras julgadas, e serão galardoados por Cristo, em maior ou menor grau, mas não serão condenados com os ímpios:
“Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele. Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo. E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, a obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo” – I Coríntios 3.10-15.

Eles são castigados pelo Senhor, pois este os ama, e tal castigo produzirá seus frutos:
“Porque o Senhor corrige o que ama, E açoita a qualquer que recebe por filho. Se suportais a correção, Deus vos trata como filhos; porque, que filho há a quem o pai não corrija? Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos. Além do que, tivemos nossos pais segundo a carne, para nos corrigirem, e nós os reverenciamos; não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, para vivermos? Porque aqueles, na verdade, por um pouco de tempo, nos corrigiam como bem lhes parecia; mas este, para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade. E, na verdade, toda a correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela” – Hebreus 12.6-11.

“Geralmente se ouve que há entre vós fornicação, e fornicação tal, que nem ainda entre os gentios se nomeia, como é haver quem abuse da mulher de seu pai. Estais ensoberbecidos, e nem ao menos vos entristecestes por não ter sido dentre vós tirado quem cometeu tal ação. Eu, na verdade, ainda que ausente no corpo, mas presente no espírito, já determinei, como se estivesse presente, que o que tal ato praticou, e nome de nosso Senhor Jesus Cristo, juntos vós e o meu espírito, pelo poder de nosso Senhor Jesus Cristo, seja entregue a Satanás para destruição da carne, para que o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus” – I Coríntios 5.1-5.

“Examine-se, pois, o homem a si mesmo, e assim coma deste pão e beba deste cálice. Porque o que come e bebe indignamente, come e bebe para sua própria condenação, não discernindo o corpo do Senhor. Por causa disto há entre vós muitos fracos e doentes, e muitos que dormem. Porque, se nós nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados. Mas, quando somos julgados, somos repreendidos pelo Senhor, para não sermos condenados com o mundo” – I Coríntios 11.28-32.

Eles são protegidos pelo Senhor, que escolheu não destiná-los para a Ira, como os demais:
“Porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivemos para convosco, e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir o Deus vivo e verdadeiro, e esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura” – I Tessalonicenses 1.9,10.

“Mas nós, que somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo-nos da couraça da fé e do amor, e tendo por capacete a esperança da salvação; porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo, que morreu por nós, para que, quer vigiemos, quer durmamos, vivamos juntamente com ele” – I Tessalonicenses 5.8-10.

Eles foram selados pelo Espírito Santo, que lhes serve de garantia até o dia da Redenção:
“E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção” – Efésios 4.30.

“E não só ela, mas nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também gememos em nós mesmos, esperando a adoção, a saber, a redenção do nosso corpo” – Romanos 8.23.

Eles serão preservados por Deus, pois aquele que começou a boa obra em seus corações, a completará:
“Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo...” – Filipenses 1.6.

“De sorte que, meus amados, assim como sempre obedecestes, não só na minha presença, mas muito mais agora na minha ausência, assim também operai a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade” – Filipenses 2.12,13.

Eles já são pedras vivas, colocadas no edifício espiritual, do qual o próprio Senhor Jesus é a Pedra Principal:
“Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo” – I Pedro 2.5.

“Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; no qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor. No qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus em Espírito” – Efésios 2.20-22.

Eles são membros do Corpo de Cristo, cada um com sua função singular, se apenas um dos membros é lançado fora, o Corpo de Cristo estaria incompleto:
“Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também. Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito. Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos. Se o pé disser: Porque não sou mão, não sou do corpo; não será por isso do corpo? E se a orelha disser: Porque não sou olho não sou do corpo; não será por isso do corpo? Se todo o corpo fosse olho, onde estaria o ouvido? Se todo fosse ouvido, onde estaria o olfato? Mas agora Deus colocou os membros no corpo, cada um deles como quis. E, se todos fossem um só membro, onde estaria o corpo? Assim, pois, há muitos membros, mas um corpo. E o olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti; nem ainda a cabeça aos pés: Não tenho necessidade de vós. Antes, os membros do corpo que parecem ser os mais fracos são necessários; e os que reputamos serem menos honrosos no corpo, a esses honramos muito mais; e aos que em nós são menos decorosos damos muito mais honra. Porque os que em nós são mais nobres não têm necessidade disso, mas Deus assim formou o corpo, dando muito mais honra ao que tinha falta dela; para que não haja divisão no corpo, mas antes tenham os membros igual cuidado uns dos outros. De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele. Ora, vós sois o corpo de Cristo, e seus membros em particular” – I Coríntios 12.12-27.

Eles são preservados pelo poder de Deus, por meio da fé, e não por causa de suas obras ou esforços pessoais:
“Que mediante a fé estais guardados na virtude de Deus para a salvação, já prestes para se revelar no último tempo, em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações, para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo; ao qual, não o havendo visto, amais; no qual, não o vendo agora, mas crendo, vos alegrais com gozo inefável e glorioso; slcançando o fim da vossa fé, a salvação das vossas almas” – I Pedro 1.6-9.

Eles foram dados a Cristo, sim, Deus os separou do mundo e os entregou a Cristo:
Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste; eram teus, e tu mos deste, e guardaram a tua palavra. Agora já têm conhecido que tudo quanto me deste provém de ti” – João 17.6,7.

Você, amigo leitor, tem mantido viva tão grandiosa esperança em seu coração? Você tem vivido e proclamado estas Boas Notícias? Também posso estar falando a alguém que se sente inseguro, atormentado por dúvidas e desesperado por salvação. Tem sua alma sede por Cristo? Medite nestas palavras e creia no Evangelho de Jesus.

Paz e bem.

9 comentários :

  1. Irmão, discordo totalmente. O irmão citou alguns versículos descontextualizados que pode confundir indoutos, mas não esmerados exegetas da Palavra de Deus. Em contraponto, simples versículos podem ser destacados de seus contextos para afrontar fácilmente essa teologia da segurança eterna. Mas não tenho espaço para isso, fico apenas com as palavras do Senhor Jesus: "Aquele que for fiel até o fim será salvo". Salvação está condicionada à fidelidade. O Senhor proveu a salvação a toda a humanidade: "Todo aquele que crer será salvo". Mas é condição sine qua non para o homem aceitar essa graça e permanecer nela. Ademais o apóstolo Paulo, ao escrever para Timóteo, afirma que o desejo de Deus é "que todos os homens se salvem e venham ao conhecimento da verdade". Se a graça de Deus fosse irresistível, e a salvação imperdível, o Senhor simplesmente cumpriria o seu desejo obrigando todos os seres humanos pela "eleição" a aceitar sua "graça" salvadora.

    Em Cristo, com amor

    Marcelo.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo,

    Paz seja contigo.

    Uma coisa é fazer uma série de afirmações fortes com algumas referências bíblicas que a maioria das pessoas não irá ler.

    Outra é chamar a atenção para pontos da verdade bíblica e citar textualmente a escritura, para que qualquer um, com a maior facilidade possível, verifique por sim mesmo se as coisas "realmente são assim".

    Parabéns pelo post.

    Em Cristo,

    Clóvis

    ResponderExcluir
  3. marcelolemoseditor12 de agosto de 2009 14:12

    Brigadão, irmão Clovis. Vindo do irmão este elogio é tudo de bão! Espero, sinceramente, que este artigo possa ter auxiliado aqueles que procuram respostas a perguntas relacionadas.

    Paz e bem.

    ResponderExcluir
  4. marcelolemoseditor12 de agosto de 2009 14:18

    Entendo seu posicionamento, irmão Marcelo. Conheço muitas pessoas que pensam justamente como você. Eu mesmo já ensei assim um dia, confesso. Respeito todos como irmãos em Cristo.

    Mas, não creio que haja qualquer erro exegetico na minha postagem; pelo menos, não da gravidade que o irmão aponta - ou melhor, não aponta, apenas diz existir. Sinceramente, penso justamente o contrário e estou aberto a rever cada um deles com a ajuda do irmão, apesar de atualmente eu ter tão pouco acesso a net - como o irmão pode constatar pela minha demora em responder.

    Sem muito me alongar, destaco que o irmão faz questão de enfatizar que a salvação seja algo CONDICIONAL, ou seja, MERITÓRIA - depende daquilo que o homem faz para Deus. Em outras palavras, uma salvação que eu preciso fazer por merecer. Ainda que não se use tais expressões, é o que significa. Mas, nós, cristãos reformados, herdeiros da Reforma Protestante (Lutero, Calvino, etc), acreditamos que a salvação seja exclusivamente pela graça, mediante a fé.

    Com carinho e apreço;
    Marcelo Lemos

    Paz e bem

    ResponderExcluir
  5. Querido irmão, ainda não faz 24 horas que conheci seu blog e já li diversos artigos. Agradeço a Deus pelo seu empenho em nos proporcionar o acesso a tais textos que nos fazem refletir e buscar a verdade na palavra de Deus. No aspecto levantado pelo irmão Marcelo, não vejo como meritório o ato de "permanecer fiel". Assim como precisamos fazer alguma coisa para ser salvo: ter fé, e isto não vem de nós, é dom de Deus (efésios 2:8); também precisamos fazer algo para manter a salvação: ser fiéis. Ser fiel não me parece obra, significa apenas que amamos a Deus de todo o nosso coração, de toda a nossa alma e de todo o nosso entendimento.

    Parabéns pelo post.
    Paz

    ResponderExcluir
  6. marcelolemoseditor26 de agosto de 2009 14:37

    Obrigado pelo apoio, irmão Nilso. Espero que as novas atualizações, providenciadas a partir de hoje, possam lhe auxiliar no Evangelho de Cristo.

    Paz e bem.

    ResponderExcluir
  7. Caro Marcelo, Fidelidade é consequencia da salvação. Ao salvo cabe viver uma vida de fidelidade. Não é a fidelidade que me salva. Se não o sacrifício de Cristo seria em vão.
    Somos salvos em Cristo, se eu tiver de fazer algo para complementar isto, estou anulando o sacrifício de Cristo. Por isto Paulo disse que é pela graça e não das obras. Se for pela minha fidelidade passa a ser obras e não graça.
    Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida, é uma palavra de estimulo dada a uma igreja que estava que estava passanndo por grande tribulação(Esmirna).
    O texto que você sita "Todo aquele que crer será salvo" evidencia que o Senhor Jesus já garantiu a salvação a quem crê. É algo que aontece já e não no futuro. Dou graças ao Senhor que nos garante esta certeza. Já imaginou ter que viver na incerteza da eternidade? Ficar dependendo de viver certinho até o fim. Estaríamos todos no inferno. Por isto Jesus disse: Tudo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora. Porque eu desci do céu não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. E a vontade do Pai, que me enviou, é esta: que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último Dia. Porquanto a vontade daquele que me enviou é esta: que todo aquele que vê o Filho e crê nele tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último Dia. João 6.37-40.
    Jesus veio para trazer certeza a quem não não tinha certeza de nada.
    Lembre-se que mesmo quando somos infiéis Ele permanece fiel, poi não pode negar-se a si mesmo(II Tim.2.13).
    Ou seja : o que Ele disse que faria está feito, é imutável! Uma vez salvo, salvo para sempre! Somos do Senhor!

    Abraços,

    ResponderExcluir
  8. Muito bom o texto, e para os indoutos; "um vez salvo, salvo para sempre"

    A aliança de Deus para com os seus escolhidos dura para sempre

    ResponderExcluir
  9. Belo texto, e para os indoutos; "um vez salvo, salvo para sempre".

    A aliança de Deus para com os seus escolhidos, é incontestavel.

    ResponderExcluir

Comente e faça um blogueiro sorrir!

Reservamos o direito de não publicar comentários que violem a Lei ou contenham linguagem obscena.